quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

o pássaro visitador

“Deus vai dar aval sim, o mal vai ter fim e no final assim calado eu sei que vou ser coroado rei de mim” – M. Camelo – De onde vem a calma

Não estava certa quanto ao que era certo dizer, se o quarto estava um pouco claro – ou se seria - devido à porta aberta o quarto estava claro. E na tentativa inútil de tentar decifrar o que era certo fez um esforço danado, receosa de que perdesse a esperança e o encanto, a Menina se rendeu.


A escuridão lambia as paredes e tomava os móveis do quarto onde à menina dormia. Gostava de dormir mergulhada na escuridão que lhe espantava os fantasmas noturnos.
Mas, naquela manhã de céu calmo, o vai e vem dos passos deixou a porta entreaberta e foi por onde um fiozinho de luz encontrou espaço para tocar os seus olhos.

Ela sonhava. Um sonho triste, confuso sobre geleias e aveias, sobre desgostos e desesperanças. Foi no meio desse sonho, no instante em que a menina tentava resgatar das mãos da morte os dedos do amigo que ainda possuía sonhos e alguma coisa de vida, que a menina despertou – Entre aliviada e encantada.

Em um ruflar de asas, entrando pela luz entreaberta, um passarinho a desejou bom dia! -, beijou-lhe a face e partiu.

- Você acredita?

A menina se sentiu tão honrada com a visita inesperada, que nas asas da escrita contou para tantos quanto pôde o seu encanto, a sua fé.


- o mal vai ter fim. -

2 comentários:

Inercya disse...

Visitas surpresas é que dão encantamento ao encontro. Passáros adoram fazer isso! :)

Obrigada pelos comentários, Tati! Assim como o título do seu texto, você foi o meu pássaro visitador. :3

Beijão!

Rafael Castellar das Neves disse...

Tem que ter fim mesmo....muito bonita a visão que você propôs!

[]s