quinta-feira, 15 de julho de 2010

Tentativa de Conto erótico

.

Desde que se viram apaixonados, aquela amizade bonita que cresceu junto deles na infância se transformou em um amor vivido com o corpo. Há quem diga que não se amam, porque amor mesmo é coisa pra adultos velhos com mais de 30 anos e, além disso, ainda insinuam que o amor mesmo, não permite essas coisas do corpo.


O que ninguém consegue perceber é que o amor sem corpo, não se expressa de forma nenhuma.


É preciso os lábios para pronuncia de palavras macias e sinceras, lançadas como declarações de amor/encanto/desejo...

Ao mesmo tempo em que eles são necessários no corpo... Escorregando no corpo


Sentindo. Beijando. Mordendo... Sorvendo gostosamente entre as horas que passam


.


E é preciso bem mais do que lábios, palavras, beijos e mordidas.

É indispensável à presença das mãos... Mãos que deslizam sobre a face, desenhando os detalhes do rosto, que brincam com os dedos da outra mão enquanto passeiam por aí sem pretensão... Que percorrem os braços e todos os traços do corpo... Que acariciam e que seduzem e se impregnam por completo... Passeando no corpo


.


Além do mais, todo o mais do corpo é necessário pra que o amor exista.

Quem é que vai amar pra sempre quando não gosta do cheiro, da voz, do tato?

Como é que se vive um amor pra sempre sem contato?


.


E quanto ao sempre contestado ‘pra quem o amor’ existe...

Existe pra quem souber deixá-lo ser presente em si, na alma, no espírito, por dentro.

E por fora.

No corpo... No contato com outro corpo.


E mesmo que ninguém acredite, é amor sim e são felizes porque seus corpos sempre se entendem muito bem


.


- Vermelho, é a cor que eu mais gosto, me lembra calor, chama, fogo...


- Eu também gosto, quando sinto suas bochechas mornas avermelharem e quando o seu corpo arde enquanto o meu corpo se aproxima do seu, assim...

.


[Está aí o primeiro Post dedicado a Ba-bi... Não que eu tenha conseguido, mas tentei - os próximos estão piores já aviso... E sim, eu prefiro vermelho! Beijos]

5 comentários:

Bill Falcão disse...

A tentativa deu certo, Tati! E que história é essa de fechar o blog?
Bjoo!!

Babizinha disse...

Se esse está ruim espero o próximo com grande ansiedade. :P

"Sentindo. Beijando. Mordendo... Sorvendo gostosamente entre as horas que passam" Traduziu o momento em palavras, que magnífico, Tati!

Um outro trecho me lembrou muito um texto de Caio F. Abreu.

Beijos
:*

Bell Souza disse...

Tati... Nossa. eu li os outros posts e nem sei bem o que dizer agora. só que sentirei tanto a sua falta dando os pitacos em todo que coloco pra fora assim meio que sem noção. Mas da mesma forma que eu tive/tenho as minhas faltas e preciso de tempo, entendo esse seu momento. E nem sei ao certo quanto tempo tenho você assim: confidente. Entregar uma parte da minha vida assim... pra alguém tão distante e tão presente com as palavras fortes e doces. Espero você de volta nesse seu espaço com ansiedade! Estou em dívida com você e com todos os leitores, mas prometo resolver isso em breve! Mil beijos da Bell

Rodolpho Padovani disse...

Geente, ficou ótimo, sensual e com uma sutileza que só vc consegue, adorei e visualizei as cenas...

Bjs e esperando mais *.*

Irene Moreira disse...

Ficou quente demais... ufa você conseguiu mesmo.
Deixa eu ir para o Cap II

Beijos