sábado, 3 de março de 2012

Transeunte



Sentia vontade de se afastar de tudo que a distanciava de si, de tudo que a definhava, tudo que a diminuía... Mas quanto mais se esforçava - percebia, ainda mais distante aquele a quem ela costumava chamar de Deus, daquilo que ela denominava como sendo sua história.





"Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum: e com efeito o querer está em mim, mas não consigo realizar o bem. Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço." Romanos 7: 18,19

4 comentários:

@_carlabresa disse...

Horrível a angústica de Paulinho nesse texto, né, Tati? E isso é tão verdade... Sempre nos afastamos do propósito quando esquecemo-nos de matar a carne. Infelizmente.

Um beijo.

@_carlabresa disse...

angústia*

Ingrid Regina disse...

Paulo, com toda a perseverança e fé que me falta...


Sempre fazendo o mal que não quero, se é que existe mal.

Babi Farias disse...

Você consegue falar de Deus sem citar religiosidade, meramente tudo aquilo que compõe a sua fé. E nessas linhas tão simples, você traduz o quão ambíguos somos e ainda fortes, crentes que Ele nos voltará a tocar como outros tempos. Também passo por essa agonia e espera de ter minha fé renovada.

Beijo, Tati!