domingo, 5 de dezembro de 2010

Dentro de casa


Capítulo II – A caixa - Aqui - cap. I

A vida tão inundada de cores e sabores parecia que estava a lhe pregar peças. Já se passaram mais de 15 anos e ela ainda revive as mesmas cenas. Sem querer, ela começa a sonhar acordada e as lembranças tomam conta de sua mente e de seu coração. Uma tristeza pequena e persistente passa a coexistir naquele banquinho simples. Recortada pelas frestas do assento, a caixinha amarela que trouxera repousa tranquilamente na grama como que à espera de seu destino.

Lança os olhos para longe das águas do lago, mantendo as pupilas encharcadas que insistem em vazar suas sensibilidades e emoções internas. Encara a caixinha amarela, como quem olha para um espelho – se vê. Riu-se da ironia, pois era ela a senhora do destino naquele dia.

Talvez não fosse tão certa quanto ao destino que a caixinha merecia. Olhou mais uma vez para os marrecos e sorriu.

Haveria de ter outras alternativas melhores do que as primeiras pensadas, talvez ela devesse esperar.

Um barulho macio de passos interrompeu as divagações e lágrimas, Nana se virou assustada, limpando rápido o rosto molhado. Pegou a caixinha instintivamente e apertou contra o peito, sentiu vontade de correr.

Primeiro de Muitos – Por Clara Doce histeria e Tati Tosta [re]construções

3 comentários:

Inercya disse...

Tá muuito bem escrito, Tati. As palavras exprime bem as sensações e sentimentos da personagem. :)
;*

Rodolpho Padovani disse...

Ahh, essa parte me deixou querendo saber mais e mais.
Espero ansioso pela continuação.

Bjs =)

Clara disse...

Oi, amiga! :)
Faz um tempinho que a gente não se fala direito... É uma pena!

Foi muito bom fazer essa historinha com vc! o/