segunda-feira, 14 de junho de 2010

[Palavras Mil]



Amar/Amor é coisa de viver e não de saber de nada

"Ó meu Pai, dá-me o direito de dizer coisas sem sentido, de não ter que ser perfeito, pretérito, sujeito, artigo definido, de me apaixonar todo dia de ser mais jovem que meu filho, e ir aprendendo com ele a magia de nunca perder o brilho, virar os dados do destino, de me contradizer, de não ter meta, me reinventar, ser meu próprio Deus, viver menino, morrer poeta" Vander Lee - Alma Nua


Enquanto escuto seus suspiros baixos, que tentas incansavelmente manter inaudível, mergulho entre as rodovias abarrotadas de sentimentos. Vejo o caos em que vives. Todos os sentimentos se misturando, confundindo-se entre si, como as grandes capitais onde o tráfego de veículos é desesperador e perturbante, onde os automóveis se misturam, batem, freiam, avançam. Tudo exatamente igual, sincronizado, só que ao invés de autos – são sentimentos


O amor avança; os tecidos que compõe a pele expelem o suor do desejo, os olhos brilham faiscando entre as vontades insanas e emergenciais de todo o corpo, as mãos transpiram e tocam, suavemente e apaixonadas, o coração se embaralha, as emoções se embaraçam, a respiração descompassa.


A crença freia. Em meio a fé a paixão pára!


O medo - divide espaço com os desejos. A cada pensamento que irrompe a mente, o medo vai ganhando espaço. As mãos se desassossegam, as pupilas lacrimejam, a expressão da face revela toda a excitação que é vivenciada.


Em meio ao amor e a crença, nasce, o tão temido medo!


O pensamento corre, trafega por lugares, pessoas, situações, imaginando tudo que possa vir a ocorrer, o que possa se ouvir - ver – sentir mais tarde. A mente se inquieta em si mesma. Sabe bem o que a sociedade lhe reserva


Confusa a mente cria as cenas; incompreensão dos pais, expulsão, possíveis brigas públicas, revolta dos familiares, não aceitação da igreja


E ao mesmo tempo, ainda divaga nas esperanças poucas,


E vai criando os cenários; um susto de inicio dos pais, mas depois do primeiro momento, a compreensão, conflitos com familiares e o mais que compõe a sociedade, vividos com o apoio dos mesmos, tudo sendo superado aos poucos,

E até Deus, com todas as suas leis, talvez, Ele de algum jeito compreenda.


O desespero vai sucumbindo o medo. Embora o medo parta - o sossego não se achega. Apreensivo o pensamento ainda indaga sobre qual cenário será o seu amanhã.


Fecho os olhos, ainda escutando os seus suspiros baixos;


- Eu sei coração eu sei! Você não tem culpa de não pensar, de só sentir. De só amar assim. Desse jeito sem saber o que é. Fique calmo coração. Eu vou deixar isso tudo se dar. Continuar aqui; Cabeça baixa, poros soltos, sentindo esse amor todo que sai desses braços e coração que nos amam o mesmo tanto que nós; Coração e Corpo, sem razão nenhuma.

11 comentários:

Rodolpho Padovani disse...

Tati, pintou mais uma situação lindamente, ficou muito bom, a imagem ofereceu um tema meio "polêmico" mas atual.
Acredito que cada um tem o direito de viver a vida q quiser, de amar quem e como desejar e não ser julgado por isso...

Bjs =)

Monique Premazzi disse...

Ficou lindo esse texto amiga, parabens pelas palavras *-* Palavras perfeitas que se lê facilmente.

Boa sorte nesta edição do Palavras Mil *-*
xx

Clara disse...

:) Quando li pela primeira vez sem ver a imagem, julguei se tratar do cotidiano conturbado de qualquer ser humano... Prova maior de que todos nós somos problemáticos e iguais? Gostei muito! Texto forte...

Julia Melo disse...

não posso falar muito, porque se não me engano, eu avaliarei esse texto :D

adorei o verso do começo, mecheu comigo. beijos e parabéns.

Monique Premazzi disse...

Ai amiga, ainda bem que você tá gostando do conto *-* Espero que continue assim quando eu postar a proxima parte kkk

<3

Babizinha disse...

Porque julgar o amor se ele é o maior bem que temos?! Entregue-o e se entregue - esse é o lema!

Experimentei o ler ouvindo a música e não consigo descrever o que senti... Fica aqui minha imensa admiração por você, Ta-Ti, por conseguir abordar um tema tão polêmica de forma tão poética e bela! :D

Beijos
:*

DILERMArtins disse...

Mas bah, guria.
Lindo texto, poético e abrangente, enfrentando o desafio de um tema que, mesmo sendo atual é muito polêmico.
Parabéns.

Rene Santos disse...

Tati
Abordastes muito bem esse tema tão polêmico.
Parabéns

Beijos

Pandora disse...

Muito linda sua abordagem, muito linda mesmo!!!

Irene Moreira disse...

Tati
Você surpreendeu - que texto e que forma de abordagem.
Parabéns e Boa sorte!
Beijos

*kw.*fy disse...

Muuito bom seu post,
gostei da forma que falo,
poucas pessoas param pra pensar assim .-.',achei bem legal :T.

Beiijos ;*

ah.seguindo '-'