quinta-feira, 25 de março de 2010

A menina, Deus e o Amor

Hoje eu queria poder encontrar palavras novas, dispostas de forma diferente pra poder expressar tudo que se passa dentro de meu interior, mas não consigo encontrar nenhuma... Então só tinha este texto antigo que diz muito do que sinto nesses dias, resolvi colocar ele aqui, sem tentar ajustá-lo as regras gramáticas... Acho que meus sentimentos estão sem ponderações nesses dias. Obrigada aos que tem paciência de me ler.

A Menina, Deus e o Amor
Nossos primeiros passos, não deviam ser considerados primeiros, visto que antes, bem antes, nós o cometemos para podermos ganhar uma corrida com muitos outros que desejavam ter vida... E ninguém nunca nos parabeniza por esta vitória.
Olhando pro espelho que reflete confuso minha imagem interna, me vejo como rodovias abarrotadas de veículos, todos confusos entre os pedaços de paisagem urbana e o asfalto, como no trafego das rodovias da grande São Paulo, o meu íntimo está um caos, onde desenfreado existem sentimentos, sentidos e sensações correndo por todos e para todos os lados.
É difícil perceber que eu estava bem, que conseguia sorrir e estar com Deus e até encontrá-lo vez ou outra por entre as horas... E hoje é tão diferente... Até quando é Ele quem me procura sem eu me esforçar para ter sua presença... Tenho dificuldades para suportá-la, embora eu a aprecie imensamente... Deus quase me incomoda intensamente e, por favor, não me pergunte por quê.
Eu sou covarde o suficiente pra manter minha vida aqui, nesta terra onde habitam ainda, os meus pais, mas eu sinceramente desejo não ser pra me afastar de tudo isso que me sensibiliza, fere... Agride de tal forma que já não sei mais como bem proceder, gostaria que mais do que ter as respostas eu pudesse aceitá-las e viver de forma que me fosse agradável sem ser prejudicial.
Espero que depois de Março as coisas se resolvam, e desejo que depois delas resolvidas, poder abraçá-los pela ultima vez, sem remorso pelo que deixo, mas tentando acreditar que existe um ‘lugar’ pra onde eu queira ir, aonde eu queira estar... Com pessoas que não me envolvam - que não me amem - que não me ensinem a amá-las... Que não me conheçam e que não se apresentem...

‘Nem sempre, ganhar a corrida faz sentido’

7 comentários:

Babizinha disse...

Bem claro o quanto esteve/está confusa. Mas imagino que solidão não vá ferir-lhe, ou decerto, também terá seu sofrimento; porém Deus está em todo lugar mesmo e sozinha não estará. Confesso que seu conto me deixou bem aflita.

Que tudo se resolva...

Beijos
;*

Wendy disse...

Escreveu de um jeito que li de uma só vez, tão rápido, intenso.

Bjos

Tania Girl disse...

OIii..
Obrigada por retribuir a visita.Amei o post, muito criativo, super lindo.

Então, você disse no comentário que se fosse você revisaria o texto... por quê?Tem erros??Desculpa, não entendi o comentário...
bjos

Bruna Bianconi disse...

Meu, eu estava precisando ler algo desse tipo, que texto lindo, muito bem escrito. Gostei pra caramba.

Beijos

Clara disse...

Engraçado, que me identifiquei infelizmente, já que é um texto essencialment triste. Às vezes tudo o que passa pela minha cabeça é a possibilidade de estar em outro lugar, de viver outra vida e de estar mais perto de Deus. Não sei se essas coisas passam pela cabeça de todas as pessoas, mas às vezes eu me sinto extremamente só e impar, com sentimentos confusos, indecifráveis (e culposos!).

*Eu me Chamo Clara, prazer!

Lílian disse...

lindo lindo (:

@philipsouza disse...

As palavras elas nao precisam ser novas..apenas virem dentro de vc...do coraçao..assim elas fluem como vc fez...

bjosss