sábado, 21 de fevereiro de 2009

Rê[paro]


Os movimentos precisos das pernas organizavam o andar dela

Indo e vindo quase desfilando sobre o plano cimento que compunha o pátio escolar,

Olhares direcionados

Sorrisos quase mecânicos
Mais ainda assim
Muito seus.

Brincadeiras à toa de criança ainda pequena que aprende o B-A-BA-
diário sem muito comentar,

Mas havia algo
Uma sombra expressa no oculto
Uma sombra espessa
Uma onda sombria
Quase minha,

Escondida pelos lábios enquanto ela sorria
E pelos olhos, quando esses recuavam

Uma onda triste, um lamento
Um murmúrio pra dentro.

Infestou-se de medo, coração meu.
Quem disse que os meus olhos se topariam ao seu?

Impossível suportar
Tanta dor, tanta tristeza
E ela Sorria ainda,


Brincava como criança que engole o B-A-BA-
diário sem reclamar,

Ela entrou pra sala,
Eu não entrei.


[Sobre algumas noites. T.T.A]

Nenhum comentário: